Notícias locais

6 de novembro de 2018

Faturamento do e-commerce da região de Presidente Prudente cresceu 10,5% no segundo trimestre


A participação do e-commerce da região no faturamento do varejo geral foi de 2,7%

O faturamento real do comércio eletrônico da região de Presidente Prudente atingiu R$ 61,1 milhões no segundo trimestre de 2018, alta de 10,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. No acumulado do ano, o aumento foi de 14,4%.

Os resultados compõem a Pesquisa Conjuntural do Comércio Eletrônico (PCCE) elaborada pela FecomercioSP, por meio do seu Conselho de Comércio Eletrônico em parceria com a Ebit|Nielsen. A pesquisa traz dados sobre faturamento real, número de pedidos e tíquete médio, além de permitir mensurar a participação do e-commerce nas vendas totais do varejo (eletrônico e físico) no Estado de São Paulo, segmentado em 16 regiões.

Ainda de acordo com o levantamento, o número de pedidos do comércio eletrônico na região atingiu 138 mil nesse segundo trimestre, um decréscimo de 16,2%, se comparado ao primeiro trimestre de 2018. O tíquete médio (faturamento por pedido) ficou em R$ 444, acima da média do Estado, aumento de 7,2% em relação ao mesmo período de 2017. A participação da região no faturamento do varejo geral do e-commerce ficou em 2,7%.

 

Desempenho estadual

As vendas do comércio eletrônico no Estado de São Paulo cresceram 3,6% no segundo trimestre de 2018 em comparação ao mesmo período de 2017, atingindo R$ 4,07 bilhões. No primeiro semestre do ano, a taxa de crescimento real das vendas do setor foi de 4%.

A participação do e-commerce nas vendas do varejo paulista no segundo trimestre ficou em 2,5%, estável em relação ao mesmo período de 2017. O número de pedidos foi de 9,8 milhões, alta de 2,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. O tíquete médio no segundo trimestre de 2018 foi de R$ 412,96, ligeiramente acima do notado no primeiro trimestre deste ano (6,6%), que havia apontado uma média de R$ 387,24 em todo o Estado de São Paulo.

Ainda que haja instabilidade política, o cenário conjuntural atual é mais favorável e, aparentemente, viabiliza a continuidade da recuperação nas vendas do comércio eletrônico. O ambiente macroeconômico está com a inflação mais controlada, aliada à trajetória de queda nas taxas de juros, favorecendo a manutenção do poder de compra das famílias.

A previsão da Entidade é que o quarto trimestre do ano registre bom desempenho para as vendas do comércio, já que conta com a realização da Black Friday, que é um dos melhores períodos para o varejo eletrônico.

 

Bens de consumo

 Desde janeiro de 2018, a PCCE também traz informações sobre as vendas de três categorias de bens de consumo: duráveis, semiduráveis e não duráveis. Segundo a assessoria econômica da Entidade, ainda que, neste momento, não seja possível estabelecer uma trajetória das vendas, dada a ausência de informações anteriores, a pesquisa permite traçar um quadro geral do comércio eletrônico.

No segundo trimestre de 2018, os bens duráveis tiveram grande peso no faturamento do setor, concentrando 72,2% das receitas e 41,7% do número de pedidos, com um tíquete médio de R$ 714,74. O comércio de bens semiduráveis representa 17,6% das vendas, 35,2% do total de pedidos, com um valor médio de R$ 206,18, enquanto os não duráveis têm uma parcela de 10,2% do faturamento, 23% dos pedidos e tíquete médio de R$ 182,81.

“As vendas de TVs de tela grande, motivadas pela proximidade da Copa do Mundo de futebol, colaboraram para o aumento do tíquete médio e consequente elevação do faturamento do comércio eletrônico no segundo semestre de 2018”, diz Pedro Guasti, presidente do Conselho de E-commerce da FecomercioSP”.

Voltar para Notícias